Compartilhe

TIM, Vivo e Claro estão cada vez mais próximas de adquirir a Oi. Algo que, particularmente, acho péssimo, sob vários aspectos.

Na minha perspectiva, a Oi até pode não ser a melhor operadora do Brasil (e, de fato, não é), mas pelo menos atende as minhas necessidades diárias, com um ótimo pacote Controle (100 GB de internet por mês, com acesso ilimitado para todas as redes sociais, YouTube e Netflix, chamadas e SMS ilimitados e roaming nacional por R$ 99,90 mensais) e uma qualidade de sinal minimamente decente para que eu não fique mais tempo offline do que online.

Já com as demais operadoras, eu sei bem qual é a experiência de uso. Passei por todas elas, e todas apresentaram sérios problemas, além de um atendimento bem ruim.

Mas tudo indica que o trio vai absorver a Oi, e muitos se preocupam com a menor concorrência no setor.

Quem não está preocupado é Pietro Labriola, CEO da TIM. E é claro que ele não está preocupado. Sim, amigo leitor: aquele mesmo que disse que você tinha que pagar a mais para ter mais internet.

 

 

 

Competição saudável? Onde?

 

 

Em recente entrevista, Labriola mostra que vive em um mundo paralelo onde obviamente a sua operadora sempre se dá bem, afirmando que com três operadoras fortes no mercado, teremos uma distribuição de infraestrutura mais equilibrada e um melhor alinhamento de mercado.

Porém, o CEO da TIM se esquece que teremos apenas três operadoras fortes contra as demais, que vão ter um mercado residual. Logo, a distribuição de mercado que ele prega envolve apenas essas três grandes empresas, o que continua a ser péssimo para o consumidor final de qualquer maneira.

Um número menor de opções significa preços menos competitivos para o consumidor final, além de chances menores de obter um serviço de melhor qualidade. Com menos alternativas no mercado, o cliente fica “refém” daquilo que tem disponível. E, sinceramente… Vivo, Oi e Claro estão deixando a desejar na qualidade final do serviço entregue.

Talvez eu venha a concordar com Labriola no dia que a TIM parar de deixar os clientes que pagam as contas em dia sem receber chamadas ou sem sinal de internet (aconteceu comigo, e isso fez com que eu mudasse para a Oi), ou cobrar por roaming em planos como o TIM Beta (o que me fez desistir desse serviço também).

Até lá, vou continuar a lamentar pela venda da Oi Móvel. E, de novo, não por achar essa operadora a melhor de todas. Mas apenas e tão somente porque a competição na telefonia móvel brasileira fica restrita a poucos protagonistas.

 

 

Via NEO Feed


Compartilhe