Anatel e suas recomendações às operadoras para enfrentar o coronavírus

Compartilhe

A pandemia do coronavírus está promovendo mudanças em todos os setores da sociedade. Todos nós precisamos fazer a nossa parte para tentar conter o avanço da doença, e algumas práticas que deveriam ser obrigatórias (por uma questão de respeito ao próximo e bom senso, inclusive) agora se tornam mais do que recomendadas.

Lavar as mãos várias vezes por dia, a etiqueta social para tossir e espirrar e, de forma mais específica para conter a expansão do COVID-19, o isolamento social. Pede-se encarecidamente que fique em casa as pessoas que podem exercer o seu trabalho no formato home-office e, principalmente (de forma obrigatória), as pessoas que apresentam sintomas do vírus.

O momento atípico que enfrentamos também exige mudanças nos serviços que são prestados aos usuários. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) apresentou diretrizes e recomendações que as operadoras de telefonia e internet móvel e fixa e operadoras de TV por assinatura devem seguir para ajudar a população a enfrentar a crise do coronavírus.

 

 

 

As recomendações da Anatel para as operadoras

 

A Anatel recomenda que todas as operadoras de internet banda larga fixa aumentem a velocidade dos planos dos clientes, uma vez que a demanda de dados será maior, já que muita gente que normalmente não ficaria em casa no horário comercial agora vai usar essa internet domiciliar (adultos que vão trabalhar em casa e estudantes).

A velocidade de internet será importante para que os profissionais possam realizar o seu trabalho de casa, além de ampliar as possibilidades de entretenimento para quem vai ficar recluso em casa, esperando o surto do coronavírus passar.

A Anatel também ordenou que as operadoras forneçam o acesso gratuito e ilimitado ao aplicativo Coronavírus – SUS (disponível para Android e iOS), e quando falo em “acesso gratuito”, quero dizer que o app não deve contar com consumo de franquia de dados, em modo zero rating. Além disso, as operadoras devem liberar as suas respectivas redes WiFi em locais públicos para usuários que não são seus assinantes, democratizando assim o acesso à internet para que a população possa se informar sobre o problema, além de permitir uma comunicação mais prática e direta com amigos e familiares.

Todas as operadoras também devem promover campanhas de conscientização para que as pessoas possam se prevenir e evitar o COVID-19, especialmente os vídeos informativos produzidos pelo Ministério da Saúde.

Outra determinação importante da Anatel é que as operadoras mantenham a estabilidade técnica do sistema, além de flexibilizar os prazos de pagamento das faturas nas áreas com restrição de deslocamento, solicitando uma maior tolerância com os clientes inadimplentes. Não são todos os clientes que contam com o conhecimento técnico para adotar o pagamento de fatura pelo smartphone (via aplicativo bancário) ou optou pelo débito automático.

As operadoras devem priorizar a solicitação de reparos técnicos para estabelecimentos de saúde e serviços de emergência, além de divulgar práticas de higiene e restrição de aglomerações no atendimento pessoal ao público e ambientes de call center.

De um modo geral, as operadoras já estão adotando tais medidas, sendo que algumas delas já anunciaram o aumento gradativo da velocidade de internet e a oferta de canais de TV por assinatura de forma gratuita.

 

 

Via O Globo


Compartilhe