Analisar com algorítimos como falamos: um dos métodos para detectar o Alzheimer | TargetHD.net
TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia Analisar com algorítimos como falamos: um dos métodos para detectar o Alzheimer | TargetHD.net Press "Enter" to skip to content
Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | Tecnologia | Analisar com algorítimos como falamos: um dos métodos para detectar o Alzheimer

Analisar com algorítimos como falamos: um dos métodos para detectar o Alzheimer

Compartilhe

alzheimer

Automatic Spontaneous Speech Analysis (ASSA), ou ‘análise automática da fala espontânea’. Assim se denomina um projeto em desenvolvimento por parte do grupo de investigação multidisciplinar ELEKIN da UPV/EHU, cujo principal objetivo é encontrar uma técnica de detecção precoce do Alzheimer que não inclua necessariamente os exames médicos.

O método em desenvolvimento pela Universidade do País Vasco se baseia na gravação dos pacientes enquanto eles contam uma experiência relacionada com sua vida, de forma relaxada e sem a impressão de que estão sendo analisados em nenhum momento. Essa gravação é analisada por algorítimos, que determinam se incluem parâmetros que podem indicar a presença do Mal de Alzheimer no paciente.

O sistema ASSA recorre à quantificação de elementos de detalhes que se observam no paciente à primeira vista, mas quer adicionar uma maior precisão tanto na coleta de dados como no armazenamento e transmissão de dados.

O sistema analisa de forma automática o conteúdo da gravação para detectar e avaliar parâmetros definidos pela equipe médica, como por exemplo as pausas do paciente para lembrar uma palavra.

alzheimer-estudo

O estudo é bem amplo, e inclui não apenas os portadores da doença, mas também pessoas que pelos antecedentes familiares podem acabar desenvolvendo essa doença, assim como as pessoas completamente saudáveis e sem antecedentes. O objetivo é oferecer dados suficientes para uma análise pré-clínica.

Por enquanto, a técnica ASSA está em fase de estudo, e não é utilizado em nenhum centro médico. A esperança dos seus desenvolvedores é que no futuro ele possa ser implementado como um sistema de detecção rotineiro, não invasivo e muito econômico.

Via Universidad del País Vasco


Compartilhe