Compartilhe

A lista de baixas da Mobile World Congress 2020 não para de aumentar. Dessa vez, recebe nomes importantes e influentes no setor de tecnologia: Amazon e NVIDIA. E o motivo para ambas é o mesmo: os riscos que o coronavírus oferece para todos. Já a GSMA aumentou as restrições no evento para evitar contágios.

 

 

Amazon disse que está fora

 

De acordo com fontes oficiais, as constantes preocupações com o coronavírus é o principal motivo para a Amazon ficar de fora da MWC 2020, que está programada para acontecer ente 24 e 27 de fevereiro, em Barcelona (Espanha). É a quarta empresa que decide abandonar o evento pelo mesmo motivo.

“Devido ao surto e às contínuas preocupações sobre o novo coronavírus, a Amazon se retirará da exposição e da participação no Congresso Mundial Móvel 2020, programado para 24-27 de fevereiro em Barcelona, Espanha.”

Além das ausentes, algumas empresas mudaram os planos de última hora por causa do coronavúrus. A ZTE não vai realizar o seu evento de imprensa, mas confirmou o seu stand na feira. As empresas estão limitando a quantidade de funcionários que vão viajar a partir da China, como prevenção.

 

 

NVIDIA também confirmou a sua saída da MWC 2020

 

Quem também engrossa a lista das empresas que estão fora da Mobile World Congress 2020 é a NVIDIA.

Em um comunicado oficial, a empresa deixa claro que “dados os riscos de saúde pública em torno ao coronavírus, nossa maior preocupação é garantir a segurança de nossos colegas, sócios e clientes. Esperamos compartilhar o nosso trabalho na inteligência artificial e redes 5G com a indústria e lamentamos a nossa ausência, mas acreditamos que esta é a decisão correta”.

A ausência da NVIDIA também é sentida e importante, pois a empresa tinha agendado originalmente mais de 10 conferências e eventos ao longo dos três dias de MWC 2020. Sua linha de pensamento não é muito diferente daquela adotada por LG e demais empresas que confirmaram suas ausências no evento de Barcelona, priorizando a segurança de seus parceiros, clientes e funcionários.

O que é o mais irônico de tudo isso é que nenhum dos fabricantes chineses de maior expressão na indústria de tecnologia anunciaram a sua ausência na Mobile World Congress 2020.

 

 

GSMA aperta o cerco

 

A GSMA (que organiza a MWC) tomou uma série de medidas cautelares que foram anunciadas na semana passada, como não dar as mãos, cartazes relembrando sobre a importância da higiene, colaboração com organizações externas como hotéis e transporte público, entre outras.

Diante das diversas preocupações, a GSMA adotou também uma série de restrições para os presentes além das recomendações já anunciadas.

As novas medidas são:

– Os viajantes da Província Hubai da China estão proibidos de participar da MWC 2020. Esta é a província onde Wuhan, a cidade de origem do coronavírus, está localizada.
– Os viajantes que estiveram na China devem ter estado fora do país nos últimos 14 dias (tempo máximo de incubação do coronavírus Wuhan antes de apresentar sintomas) e comprová-lo com um carimbo no passaporte, bem como um certificado de saúde.
– Todos os participantes devem atestar que não estiveram em contacto com nenhuma pessoa infectada.
– Serão instalados telas de temperatura, de modo a detectar mais facilmente possíveis infecções.

 

A GSMA pede que todos que pretendem comparecer à MWC 2020 mantenham a calma, já que estão monitorizando o tempo todo o desenvolvimento do coronavírus. Além disso, citam diferentes declarações dos órgãos governamentais locais que enfatizam a preparação da Espanha, da região da Catalunha e da cidade de Barcelona para fazer frente ao coronavírus.

 

 

Por enquanto, a MWC 2020 está confirmada

 

Enquanto não tiver uma segunda ordem ou uma mudança mais drástica, a MWC 2020 está confirmada. Mas chega a assustar o número de gigantes do setor de tecnologia que estão se retirando do evento. Algo que pode ser considerado até normal, já que as notícias mais recentes sobre o coronavírus só dão a entender que o cenário é cada vez mais sério.

A MWC 2020 está prevista para começar no dia 24 de fevereiro. A grande diferença dessa vez é que teremos mais medidas de precaução que as edições anteriores, além de uma maior restrição para os presentes e a ausência sentida de algumas gigantes do setor de tecnologia.

Uma Mobile World Congress esvaziada por um vírus. E o mundo, que não tinha mais fronteiras, está um pouco mais distante. Veremos se nas próximas semanas o cenário muda novamente.


Compartilhe