As polêmicas que ameaçam a privacidade dos usuários de tecnologia continuam. Agora, a Bloomberg revela que Google e Amazon podem ter coletado todo o tipo de dados e informação dos usuários a partir dos seus sistemas de alto-falantes inteligentes (Google Home e Amazon Alexa) para compartilhar com empresas de terceiros.

Recentes declarações de Brad Russel, diretor executivo da empresa Parks Associates (especializada na investigação de soluções adaptáveis a Smart Homes) confirmam a prática.

Segundo palavras de Russel, “podemos aprender as necessidades e o comportamento de um lar baseado no comportamento dos seus moradores, através de um sistema Smart Home”. A forma de registrar tal comportamento se baseia na coleta de informações na hora de interagir com gadgets inteligentes de nossa casa, através dos dois assistentes domésticos.

Falamos de dados como canal de TV preferido, a hora em que acendemos as luzes da sala, o tipo de música que escutamos e todo e qualquer tipo de dados relativos a nosso comportamento em casa.

As guias públicas de Google e Amazon sobre o uso e tratamento dos dados não estabelecem limites na hora de interagir com os seus sistemas inteligentes. Isso pode levar a uma constante monitorização dos diferentes elementos inteligentes instalados nas casas para coletar nossos dados pessoais (inclusive).

 

 

Google e Amazon responderam as acusações

A resposta, tanto por parte do Google como da Amazon, foi a mesma: os sistemas coletam nossos dados para melhorar o tempo de resposta do Google Home e do Amazon Alexa, adaptando a informação exibida nos aplicativos à nossa necessidade.

Além disso, novamente de acordo com a Bloomberg, as duas empresas estão recomendando (quando não estão obrigando) aos diferentes fabricantes de gadgets que revertam o seu código para reduzir essa mesma monitorização. Ao que parece, os equipamentos inteligentes da casa (lâmpadas, alto-falantes, televisão) deverá informar ao Google Home e ao Amazon Alexa sobre o seu status de funcionamento o tempo todo.