Press "Enter" to skip to content
Você está em | Home | Smartphones | A recarga rápida do iPhone 14 é uma farsa

A recarga rápida do iPhone 14 é uma farsa

Compartilhe

A situação do iPhone 14 (na verdade, de todos os modelos da série) só piora.

Não basta o iPhone 14 (modelo base) ser um telefone inútil nos aspectos mercadológicos. Não basta o iPhone 14 Pro e iPhone 14 Pro Max apresentarem problemas nas câmeras (com ruídos e tremidos irritantes nos sensores durante o uso em aplicativos de terceiros). Não basta a filha do Steve Jobs zoar esses telefones.

Agora, o iPhone 14 precisa ser taxado de “mentiroso” e “enganador” em uma das características que se tornou um dos pontos de maior crítica para a Apple justamente pela “obrigação” de compra desse item para o recurso se tornar efetivo nos novos telefones: o sistema de recarga rápida.

Em termos práticos: a recarga rápida do iPhone 14 é pura enganação.

 

Uma velocidade de recarga simplesmente risível

Vamos primeiro colocar o assunto em perspectiva, para que não fique dúvidas que o problema existe na prática, e não é fruto de um produtor de conteúdo de tecnologia que é pobre e recalcado por não poder comprar um iPhone 14 neste momento.

A seguir, apresentamos a capacidade de bateria de cada um dos modelos da série iPhone 14 apresentados pela Apple em 7 de setembro de 2022:

  • iPhone 14: 3.279 mAh
  • iPhone 14 Plus: 4.325 mAh
  • iPhone 14 Pro: 3.200 mAh
  • iPhone 14 Pro Max: 4.323 mAh

Ou seja, fica fácil concluir que a recarga rápida é mais que necessária para manter os telefones funcionando em uma necessidade de pontual recuperação de autonomia de uso durante um dia mais intenso de atividades com o dispositivo.

Pois bem, um site especializado decidiu verificar o quão rápida é realmente a recarga de bateria nos novos modelos iPhone 14. E descobriram uma desagradável surpresa: não só essa velocidade é, em teoria, a mesma detectada nos modelos da geração anterior (desde o iPhone 8 ou superior, a Apple promete recarregar até 50% de bateria de qualquer modelo dos seus smartphones em até 30 minutos), como esse desempenho pode ser ainda pior em alguns modelos específicos.

Vou ser mais objetivo: o iPhone 14 e o iPhone 14 Pro Max contam com um desempenho de recarga PIOR que os seus respectivos modelos equivalentes lançados no ano passado (iPhone 13 e iPhone 13 Pro Max).

Ou seja, a grande mentira promovida pela Apple é afirmar que o seu carregador de 29W ou mais podem acelerar o processo de recarga nos dois dispositivos. Na prática, tanto o iPhone 14 como o iPhone 14 Pro Max estão limitados a uma recarga de até 27W.

A pior parte não é nem o fato do adaptador oficial da Apple ser um verdadeiro inútil na missão de recarregar rapidamente os novos modelos do iPhone. Triste mesmo e descobrir que nem mesmo os carregadores de terceiros que são muito mais potentes também não são capazes de acelerar o processo.

Ou seja, a Apple limitou o desempenho da recarga dos novos iPhone 14 e iPhone 14 Pro Max ao seu bel prazer, e afirmou para todo mundo que os telefones podem carregar mais rápido com os seus acessórios oficiais.

Bullshit!

Ainda de acordo com os testes realizados, um carregador com potência de 87W pode alimentar as baterias dos novos telefones da Apple em até 25.5W. Qualquer smartphone Android que custa 1/5 do preço do iPhone mais caro da história (que pode custar no Brasil até R$ 15 mil) consegue carregar a bateria em 120W.

 

Mais de 1h30 de espera para recarregar o iPhone 14 Pro Max por completo

O caso do iPhone 14 Pro Max é, de forma indiscutível, o mais sério entre os novos telefones da Apple.

Mesmo que você use um carregador de 96W oficial da Apple, o tempo de recarga completa (de 0% a 100%) do modelo de iPhone mais caro da história da gigante de Cupertino (de novo: dá pra comprar muitos gadgets com R$ 15 mil…) é de nada menos que 1 hora e 49 minutos.

Ou seja, você pode assistir a um filme completo na espera pela recarga do iPhone 14 Pro Max. Isso é, se você tiver esse tempo todo livre na vida para ir ao cinema e deixar o smartphone em casa em uma tarde de terça-feira sem compromissos profissionais.

Chega a ser uma vergonha o que a Apple está fazendo ao humilhar os seus clientes dessa forma. Quando olhamos para o outro lado do muro, as diferenças neste aspecto chegam a ser bizarras: o realme GT Neo 3 conta com um carregador de 150W incluído no seu kit de venda (sim… no iPhone 14 Pro Max, você é obrigado a comprar o item para ser enganado…), o que permite a recarga completa da bateria do dispositivo (de novo: de 0% a 100%) em apenas 16 minutos.

Isso mesmo: é mais rápido que assistir a um vídeo qualquer no canal do Felipe Neto no YouTube.

Para completar a humilhação estabelecida, o mesmo iPhone 14 Pro Max, utilizando um carregador mais básico da Apple de 18W (que também precisa ser comprado em separado) leva nada menos que 2 horas e 21 minutos para ser recarregado por completo. Sendo mais otimista, se você comprar o carregador de 20W da gigante de Cupertino, esse tempo cai para 2 horas de 11 minutos. E nem precisa perder tempo investindo no carregador oficial de 30W, pois o tempo vai cair para 2 horas de 9 minutos.

Agora, se você ainda quer fazer o papel de otário e acreditar na desculpa esfarrapada da Apple em remover o carregador do kit de venda do iPhone para “ajudar na preservação do meio ambiente” (apesar de toda a papelada que vem na caixinha do telefone) e insistir em carregar o seu novo iPhone 14 Pro Max naquele carregador vagabundo de 5W que você já tem, se prepare para esperar por até 5 horas para uma recarga completa.

Bom, ao menos agora você já sabe que pode carregar o telefone enquanto dorme e, de quebra, reduzir a degradação de bateria.

 

Isso vai melhorar no futuro?

A essa altura do campeonato, eu chego a duvidar que a Apple melhore neste aspecto no futuro.

Não é só pela mentira ou enganação. É por fazer isso de forma deliberada. E conhecendo o DNA da Apple, isso muito provavelmente não vai mudar.

Alguns especialistas em tecnologia alimentam a esperança de que o iPhone 15 finalmente vai marcar a estreia da porta USB-C no lugar da famigerada Lightning. Eu sinceramente espero que isso realmente aconteça, mas não me surpreenderia em nada se a Apple se recusasse a dar o braço a torcer para a União Europeia e lançando um futuro smartphone sem portas de conexão, priorizando a recarga sem fio.

Já é possível migrar dados de armazenamento de um iPhone para em modo totalmente sem fio, uma vez que o iCloud existe (também) para isso. Logo, dispensar um cabo para conectar o telefone ao PC é algo que já poderia ser feito, pois qualquer pessoa pode restaurar um telefone da empresa a partir dos recursos presentes no próprio dispositivo.

Tudo bem, os usuários avançados que adotam métodos mais elaborados de recuperação do iPhone podem sair perdendo nessa. Mas a Apple pode perfeitamente criar soluções para atender a esse público mais específico.

O que pode fazer com que a Apple adote o USB-C é a venda de alguns acessórios que se conectam fisicamente ao telefone, além dos royalties de terceiros que fabricam essas soluções alternativas. E, mesmo assim, a empresa pode pensar fechar o parquinho ainda mais, seja criando protocolos específicos para o uso desse conector em seus telefones, seja apresentando mais soluções de interação sem fio.

Afinal de contas, o MagSafe e outros acessórios da Apple já dispensam o uso da porta Lightning para funcionar.

Ou seja, um iPhone com recarga exclusivamente sem fio (e hermeticamente fechado, já que o slot para cartões nanoSIM foi eliminado no iPhone 14) pode aparecer no futuro, deixando muita gente que esperava por uma recarga rápida de verdade no telefone órfãos de pai e mãe.

Porque a Apple tem dessas coisas. Adora contrariar para deixar todo mundo descontente (e pagando mais caro por suas soluções).


Compartilhe