Rumores cada vez mais frequentes indicam que a Microsoft está preparando uma versão econômica do conversível Surface, com um hardware reduzido para resultar em um preço de venda mais acessível.

O objetivo do novo produto seria competir diretamente com o novo iPad de 9.7 polegadas apresentado recentemente pela Apple, e voltado principalmente ao setor educacional e profissional.

Olhando para esse foco, o produto tem algum sentido de existir. Porém, será que é necessário?

A Microsoft disse em diversas oportunidades que o objetivo da linha Surface não é vender muitas unidades ou competir com outros fabricantes, mas sim inspirar o desenvolvimento de novos produtos com Windows 10.

Com isso em mente, podemos ver que um Surface econômica teria dois objetivos: arranhar a cota de mercado do novo iPad e mostrar aos fabricantes o modelo a seguir para que novos dispositivos com as mesmas características apareçam.

Há algumas dúvidas sobre o hardware que esse Surface econômico poderia receber. Hoje, o modelo mais barato do Surface Pro conta com 4 GB de RAM, 128 GB de SSD, processador Intel Core m3 e preço de 949 euros.

A Microsoft pode lançar um modelo de gire os 400-500 euros, mas as reduções de hardware seriam importantes, afetando processador, armazenamento e os acessórios incluídos.

Será que os usuários que hoje se interessam pelo Surface iriam adquirir o produto sem acessórios e com um hardware mais limitado?

É uma escolha de Sofia que a Microsoft precisa fazer para seguir em frente.