Compartilhe

O PC Gaming experimentou uma evolução notável nos últimos anos, especialmente no hardware. Em 2012, o mais potente que poderíamos encontrar no setor de processadores de consumo geral era um Core i7-2700K, com quatro núcleos e oito hilos. Hoje, temos processadores de oito núcleos e 16 hilos.

A quantidade de RAM necessária para uma boa experiência gaming no PC não mudou muito (8 GB mínimos, 16 GB recomendados). Porém, o tipo de memória e frequência de trabalho mudaram de forma clara. Em 2012, um PC gaming top de linha contava com 16 GB de RAM DDR3 a 1.600 MHz. Hoje, incorpora os mesmos 16 GB de RAM DDR4 a 3.000 MHz ou mais.

As placas gráficas também evoluíram e muito. A maioria dos gamers apostavam no 1080p em 2012, mas hoje os gráficos em 4K são a ordem do dia, com memória gráfica saltando de 2 GB para 8 GB.

Mesmo com o mercado estancado que marcou os ciclos de desenvolvimento centrados nos consoles, os requisitos dos jogos aumentaram de forma notável ao longo dos anos, principalmente depois do lançamento do PS4 e do Xbox One. Hoje, podemos encontrar jogos com gráficos melhores, péssimas otimizações e muito mais exigentes.

Todos esses elementos foram considerados no interessante comparativo em vídeo que você pode ver no final do post, que mostra a evolução dos games no PC através de equipamentos com configurações top de linha de 2012 e 2018. A seguir, um resumo completo com as configurações de cada equipamento:

 

 

PC Gaming de 2012

 

– Core i7-2600K quad-core e oito hilos a 4.2 GHz
– 16 GB de RAM DDR3 a 1.600 MHz
– Gráficos GTX 680 com 2 GB de GDDR5

 

 

PC Gaming de 2018

 

– Core i7-9700K com oito núcleos e oito hilos a 4.7 GHz
– 16 GB de RAM DDR4 a 3.200 MHz
– Gráficos RTX 2080 com 8 GB de GDDR6

 

O resultado do comparativo não deixa dúvidas. O equipamento de 2012 aguenta bem trabalhando com resoluções 1080p e qualidade gráfica média ou alta, de acordo com as exigências de cada jogo, mas mostra sinais de cansaço claro, principalmente por causa da placa gráfica.

Atualizar uma configuração como essa com uma placa gráfica GeForce GTX 1660 ou Radeon RX 580 permite oferecer uma segunda vida ao computador gaming de 2012, sem precisar investir o dinheiro de uma renovação completa.

Já o PC gaming de 2018 faz uma demonstração de força bruta ao triplicar o desempenho do PC de 2012, e isso acontece pela maior potência da CPU e maior velocidade da RAM, mas a peça chave que permite o registro de uma diferença tão alta é a RTX 2080.

Vídeo comparativo a seguir.

 


Compartilhe