A alta do bitcoin está relacionada com o anúncio da Libra, criptomoeda do Facebook?

Compartilhe

Em 5 de dezembro de 2017, os bitcoins superavam pela primeira vez a casa dos US$ 10 mil de cotação, confirmando a febre das critptodivisas. Aquela marca foi superada por outras, mas poucos meses depois testemunhamos uma queda brutal do mercado, com o bitcoin como a principal vítima.

O ano de 2018 foi muito duro para o bitcoin, mas em 2019 ele se recupera de forma lenta e sustentável, voltando a superar nos últimos dias os US$ 10 mil em valor de mercado, o que volta a disparar as expectativas sobre a moeda. Os motivos para essa alta são difusos, mas pode ser que a recém lançada Libra (by Facebook) seja um dos argumentos.

 

 

Voltam as promessas, faltam os argumentos

 

 

É o valor de mercado mais alto do bitcoin desde março de 2018. Desde então, a criptomoeda perdeu valor até alcançar os US$ 3.200 no final do ano passado. Então, de lá para cá, só ganhou valor.

No último final de semana, o bitcoin chegou a superar os US$ 11 mil, mas nesse momento está em US$ 10.700. Esse altos e baixos na cotação não parecem ter uma explicação razoável, mas há quem diga que essa coincidência entre a marca de cinco dígitos e o lançamento do Libra é algo além de uma mera coincidência.

Em um particular estudo do The Tie, foi analisado o sentimento positivo e negativo com o bitcoin, e a relação entre Libra e bitcoin parece algo notável. Do nada, as criptomoedas voltaram a ganhar notoriedade, despertando o interesse de investidores e especuladores.

 

 

Maior concentração, o outro argumento

 

 

É um argumento provável, mas também é certo que, nos últimos meses, outro argumento é explorado pelos analistas: a concentração de critpomoedas motivou muitos investidores a venderem criptodivisas alternativas para apostar no bitcoin.

Isso fez com que a tradicional alienação entre o bitcoin e o restante das criptodivisas já não seja algo tão evidente. Antes, quase todas as criptomoedas subiam ou caíam no mesmo ritmo que o bitcoin (ou algo muito parecido), mas nos últimos meses esse paralelismo parece ter se quebrado, e o bitcoin é mais protagonista que nunca.

 

 

Por que eu não vou investir no bitcoin nem em criptomoedas

 

Como sempre, isso não representa uma tendência clara ou confiável. A volatilidade do bitcoin ainda é enorme, e essa alta não se descarta em absoluto que a criptomoeda volte a cair com a mesma força que subiu nas últimas semanas ou meses.

Vamos aguardar. Pacientemente.

 

Via The Tie


Compartilhe