Compartilhe

Hoje, usamos o smartphone para ouvir música em qualquer lugar. Mas na década de 1980, não era assim. Se você queria ouvir música pelas ruas cantarolando uma canção do Michael Jackson ou da Madonna, tinha que recorrer a um dispositivo que foi muito amado pela minha geração e por pelo menos mais duas que vieram depois da minha: o Walkman.

O primeiro dispositivo que era pequeno e prático o suficiente para reproduzir música em qualquer lugar. E o Walkman fez tudo mudar. Mudou a história da música de forma efetiva, popularizando uma arte que estava (até então) seriamente limitada pelos vinis, que só podiam reproduzir música em casa. Movimentos culturais nasceram em torno desse produto e de suas possibilidades.

O primeiro Walkman foi o Sony TPS-L2, lançado em 1 de julho de 1979. Poderia ser carregado no bolso e utilizado com fones de ouvido, salvando o usuário do estresse diário, ou permitindo a reprodução de sua trilha sonora sem incomodar o restante da família no processo. E o impacto desse primeiro Walkman no mercado foi enorme.

Mais e mais pessoas passaram a escutar mais música, e o aumento da demanda veio com a redução dos custos dessa tecnologia. As fitas cassete viraram ícones populares, uma forma de compartilhar música sem precisar passar pela dominância das rádios ou das gravadoras.

 

 

O Walkman mudou a forma que consumimos música

 

 

O único problema do Walkman era o seu preço, muito elevado para a época. Com o passar dos anos, isso mudou. Os modelos mais modernos da Sony e os clones de outros fabricantes começaram a apelar para um público mais jovem e alternativo.

O Walkman é o predecessor do Discman, do MP3 Player, do iPod e dos apps de música por streaming que hoje são tão populares. Foi o dispositivo que mudou costumes e a forma em como consumimos música hoje. A Sony fez história.

A marca Walkman está registrada e segue em uso, mas muita gente até hoje a associa com o reprodutor portátil de fitas cassete. De fato a Sony ainda oferece esse tipo de produto, mas centrada nos usuários que querem a música na mais alta fidelidade, com players compatíveis com o som em alta resolução.

 


Compartilhe