Press "Enter" to skip to content
Você está em | Home | Software | 22 anos do LIXO chamado Windows ME

22 anos do LIXO chamado Windows ME

Compartilhe

O Windows Millennium Edition ou Windows ME foi o sucessor natural do Windows 98. E foi uma bomba.

Você, membro da geração Millennial, é feliz por ter nascido no mesmo ano que esse verdadeiro vírus em forma de sistema operacional, e não ter tempo de registrar na mente qualquer tipo de memória sobre algo que muitos profissionais de tecnologia (eu, inclusive) simplesmente tenta esquecer até hoje que existiu um dia.

O sistema operacional lançado em 14 de setembro de 2000 foi o último da Microsoft lançado sobre série Windows 9, e trazia como “novidades” (se é que dá para falar assim) o Internet Explorer 5.5, o Windows Media Player 7 e o Windows Movie Maker (desse último, eu não tenho o que falar mal, pois eu uso ele até hoje).

 

Tirar o acesso ao DOS foi como dar um tapa na cara da mãe de muita gente

Uma das infelizes decisões tomadas pela Microsoft que fez com que o Windows ME se tornasse o inimigo público número um de muitos usuários foi a restrição ao acesso ao modo real do DOS, com o objetivo de acelerar o tempo de inicialização do sistema operacional.

Você até pode dizer que essa decisão tinha uma boa intenção, e hoje isso não é percebido na vida de nenhum usuário. Porém, naquela época, remover o acesso ao modo real do DOS fez com que todos os programas que precisavam dele para funcionar morressem automaticamente.

E não eram poucos os programas que ainda precisavam do modo real do DOS para funcionar em um computador Windows em 2000. O sistema operacional da Microsoft ainda vivia um momento de transição, assim como usuários e empresas que mantinham os seus sistemas em bases informáticas que eram do passado.

Os usuários mais novos que reclamam quando o Windows Update tem problemas não podem imaginar como os mais veteranos em informática comeram o pão que o diabo amassou por causa do Windows ME. Tem gente que se consulta no psicólogo até hoje por causa dos traumas gerados pela expressão “Millennium Edition”.

 

É claro que teve uma chuva de críticas

Se não bastasse a limitação de uso do modo real do DOS, o Windows ME recebeu muitas críticas por causa dos seus diversos problemas, erros e falhas.

Essa merda travava o tempo todo, reiniciava do nada, fechava programas de forma aleatória e vários outros problemas que facilmente resultariam na hashtag #WindowsMESucks se o Twitter existisse naquela época.

O resultado de tantas reclamações foi a vida curta do Windows ME no mercado, que durou pouco mais de um ano: em 25 de outubro de 2001, a mesma Microsoft corrigiu esse aborto informático com o lançamento do Windows XP, um sistema operacional tão bem sucedido, que estabeleceu as novas bases para esse tipo de software dentro da gigante de Redmond, que não consegue se livrar dele por funcionar até hoje em vários computadores ao redor do mundo.

O suporte oficial para o Windows ME chegou ao fim em 11 de julho de 2006, e seus servidores de atualização foram desligados em setembro de 2011. Desse ponto em diante, os infelizes que insistiram em utilizar um sistema operacional velho e muito ineficiente ficaram presos em um buraco negro infinito de software.

O mais curioso de tudo isso é que a culpa do Windows ME ser tão ruim é, de forma óbvia, da Microsoft. Mas aconteceu por conta da contradição criada pela própria empresa.

Em 1998, a Microsoft declarou para quem quisesse ouvir que não haveria novas versões do Windows 9x depois do lançamento do Windows 98. E isso seria um fim digno para uma sequência histórica de uma geração do sistema operacional, já que o Win 98 era um acerto da empresa em vários aspectos.

Porém, em maio de 1999, a Microsoft lançou o Windows 98 Second Edition (ou Windows 98 SE). Até aqui, dá para entender que uma atualização menor poderia corrigir eventuais problemas e apresentar novos recursos para os usuários.

Mas não satisfeita com o sucesso já alcançado, a gigante de Redmond anunciou que lançaria MAIS UMA VERSÃO do Windows 9x, cujo nome não foi relevado em um primeiro momento. Só em 2000 é que descobrimos que esse novo software seria o Millennium Edition, que recebeu pelo menos três betas durante o seu período de desenvolvimento.

Na época do seu lançamento, a Microsoft lançou uma promoção por tempo limitado, onde os usuários do Windows 95 ou Windows 98 poderiam atualizar os computadores para o Windows ME por “apenas” US$ 59,95 (se hoje um jogo AAA custar US$ 60 pode ser considerado algo caro para muitos gamers, imagine um software de computador custando isso em 2000…), no lugar de pagar o preço de venda normal do software, US$ 109.

E muitos trouxas caíram nessa pegadinha maldita da Microsoft.

Hoje, o Windows ME é um dos grandes erros históricos da Microsoft. Do logo até o buscador de arquivos.

Um grande desastre que nós só lembramos porque somos masoquistas. Porém, é o tipo de produto que merece cair no esquecimento, em nome da sanidade mental de milhões de usuários de computador ao redor do mundo.


Compartilhe